quarta-feira, 13 de abril de 2011

Melodrama.








                                         Eu sou uma mulher espantada.
                                         O amor me molha toda,
                                         me deixa com dor nas costas.
                                         E diz no fundo que gosta,
                                         e no fundo ele tem razão.


                                         O amor tinha que ser mais uma contradiçao,
                                         tinha que ser verdadeiro, confuso ou biscateiro,
                                         como em toda situação.


                                         Tinha que ser remorso,
                                         e um querer e não posso, e toda essa aflição.
                                         Tinha que me dar pancadas,
                                         e eu cantar ''não dói nem nada'',
                                         com um radinho na mão.


                                         Tinha que fazer ameaça,
                                         que é pra poder ter mais graça,
                                         como toda relação,
                                         tinha que ser dolorido.


                                         Rasgar um pouco meu vestido,
                                         depois me pedir perdão,
                                         e como em todo melodrama,
                                         terminar na minha cama,
                                         até por falta de opção.

Um comentário: